Um voo da Thomas Cook sofreu um problema enquanto seguia de Manchester, no Reino Unido, para Holguín, em Cuba. A aeronave que estava fazendo o voo era um Airbus A330-200 de matrícula OY-VKF, o problema ocorreu quando a mesma se encontrava na altitude de 38 mil pés já no Oceano Atlântico.

Antes do voo funcionários de manutenção da Thomas Cook removeram a winglet esquerda, que estava danificada, no lugar os mecânicos colocaram fita de alta resistência e fizeram um acabamento na área, após assinaram o documento autorizando o despacho da aeronave. A winglet foi removida no dia 22 de maio, e até então não foi instalada outra no lugar.

Foto – EAMONN AND JAMES CLARKE

Durante o voo a fita se soltou, mas o problema mais grave que ocorreu nesse voo não foi somente a falta de proteção para o lugar de instalação da winglet, o motor esquerdo da aeronave teve indicação de baixa pressão de óleo, exigindo que os pilotos retornassem para Manchester, pousando cerca de 80 minutos após o primeiro aviso do problema.

Foto – EAMONN AND JAMES CLARKE

De acordo com Master Minimum Equipment List (MMEL), o Airbus A330 pode ser despachado para um voo sem uma das winglets, essa inclusive foi uma das afirmações apresentadas pela Thomas Cook para justificar os voos desde o dia 22 de maio sem a peça instalada. 

“A segurança sempre vem em primeiro lugar e a aeronave passará por uma verificação de segurança completa antes de retornar aos voos. Lamentamos aos clientes pela demora e vamos recuperar o prejuízo o mais rápido possível”, disse a empresa em nota.

Haviam 322 passageiros nesse voo MT-2652 da Thomas Cook. Todos os passageiros foram colocados em hotéis enquanto a companhia preparava outra aeronave para assumir esse voo.

 

Veja o vídeo do canal AviationUpclose abaixo:

Via – Telegraph e AvHerald

This post is available in: pt-brPortuguês