O novo Air Force One, baseado no Boeing 747-8i, realmente sairá do papel, após uma negociação dura do presidente Donald Trump com a fabricante para “baratear” o projeto de um novo avião presidencial dos Estados Unidos.

No total serão dois aviões Boeing 747-8i, em um contrato com valor total de US$ 3,9 bilhões (R$ 12,7 bilhões). Apesar do valor bem superior aos informados durante as negociações, o governo informou que conseguiu um “desconto” de US$ 1,4 bilhão.

“A Boeing se orgulha de fabricar a próxima geração de Air Force One que dará aos presidentes americanos uma Casa Branca voadora por um preço excepcional para os contribuintes”, disse a Boeing em seu Twitter.

O acordo ainda precisará passar por uma aprovação do Congresso Americano nos próximos meses.

Em setembro de 2017 a Força Aérea Americana (USAF) declarou que o governo passou US$ 500 milhões para o projeto, além de confirmar que haverá uma economia total de US$ 1 bilhão em comparação com o projeto anterior, aprovado pelo Governo do Barack Obama.

A compra dos novos Air Force One foi barrada pelo presidente Trump após uma análise de gastos com a aeronave. Trump relatou que o desenvolvimento do novo Air Force One custaria mais de 4 bilhões de dólares, incluindo a entrega de 2 aeronaves 747-8 com os sistemas de defesa.

Os 747-8i vão passar por uma modificação completa, o contrato prevê um interior executivo, além de um sistema de autodefesa de alto nível, aparelhos de comunicação embarcados de última tecnologia, instalações médicas, dentre outros recursos.

Atualmente a Força Aérea Americana usa dois aviões Boeing 747-200B com modificações para o transporte principal do presidente norte-americano. A USAF ainda tem um Boeing 757 presidencial para atender voos para aeroportos de menor porte.

A entrega dos dois 747-8i, denominados VC-25B, será até 2021. 

This post is available in: pt-brPortuguês