Juntamente com a apresentação do primeiro 737 MAX 9, a Boeing também falou sobre algumas características do 737 MAX 10, projetado de última hora pela empresa para suprir a concorrência árdua com o A321neo da Airbus.

Segundo a Boeing o novo 737 MAX 10 teria 1,68 metros a mais do que o MAX 9, e está planejado para operar com o mesmo motor que equipará o 737 MAX 9, inclusive com o mesmo empuxo (28 mil lbs). A Boeing assumiu que mudará o trem de pouso para acomodar a fuselagem com maior tamanho e evitar problemas operacionais, como o tailstrike.

Mudar o trem de pouso no Boeing 737 MAX é um grande problema, o compartimento atual está no limite de engenharia do 737 MAX, para isso a Boeing precisará testar várias configurações ainda neste ano para definir qual tem a maior confiabilidade e custo/benefício para essa nova aeronave da família 737.

Apesar disso a Boeing espera caminhar logo para projetar uma “versão final” do 737 MAX 10, pronta para entrar em produção. Após realizar algumas alterações de capacidade no 737 MAX 7 em 2016, a empresa declarou nesta semana que 90% do projeto já está pronto e espera ter o mesmo desempenho de “re-projeto” para o 737 MAX 10.

Com esse aumento de 2 seções na fuselagem a Boeing seria capaz de adicionar mais 2 fileiras de assentos em classe econômica, dessa forma a anterior capacidade máxima do 737 MAX 9 para 220 passageiros, passaria para 232 passageiros, ou 185 passageiros em duas classes.

Manter o mesmo motor do 737 MAX 9 também é uma decisão sábia da Boeing, caso ela precisasse aumentar o empuxo do motor precisaria recorrer a uma variante do CFM Leap-1A, que equipa atualmente as aeronaves da Airbus, o A320neo por sua vez consegue acomodar um motor maior em altura do que o utilizado no Boeing 737 MAX. O Boeing 737 MAX utiliza a variante Leap-1B, com menor tamanho e diâmetro do fan.

A Boeing não afirmou sobre uma nova saída de emergência que é necessária para o novo 737 MAX 10, nem sobre alterações de desempenho nas asas e tanques extras de combustível para aumentar o alcance da aeronave.

Tal investimento da Boeing em um novo projeto pode custar na ordem de 1 a 2 bilhões de dólares, de acordo com especialistas da área. O primeiro 737 MAX 10 só deverá surgir depois do 737 MAX 9.

A Boeing enfrenta um sério problema com a concorrência formada pela Airbus através da aeronave A321neo, que está conquistando boa parte das encomendas nessa faixa de capacidade, principalmente devido ao envelhecimento da frota de Boeing 757 e 767-200 das companhias aéreas, e também devido à grande capacidade de passageiros da aeronave, que é de no máximo 240 em classe econômica, aliado a economia de combustível proporcionada pela nova geração de motores.

Outra grande chance do 737 MAX está em uma versão chamada 737 MAX 200, com alterações para transportar até 199 passageiros, 11 a mais do que no A320neo. A Boeing afirma que com essa configuração a aeronave pode ter o custo por assento até 8% em comparação com o concorrente, ideal para as companhias aéreas Low Cost que tem altos índices de ocupação dos assentos por voo.

 

Fonte – Reuters