Sidnei Piva Grupo Itapemirim Justiça
Foto: DIvulgação

Os advogados do escritório André Khedi e Renato Vieira que representam o empresário Sidnei Piva, solicitaram à justiça um pedido de habeas corpus para anular as medidas cautelares e afastamento da direção do Grupo Itapemirim.

Um dos pedidos foi negado pelas autoridades e com isso, através de seus advogados, Sidnei Piva resolveu colaborar com a justiça. O empresário se comprometeu a entregar seu passaporte e não deixar o país em meio as investigações.

Além disso, o empresário atualizou na justiça o seu endereço que agora consta em um apartamento com valor estimado em pouco mais de R$ 10 milhões na Avenida Faria Lima em São Paulo.

Ainda sobre a ordem de afastamento de suas funções do Grupo Itapemirim emitida no dia 18 de fevereiro, os advogados tentam reverter a decisão. No pedido que ainda está em análise pela justiça, Piva iria realizar apenas funções ‘estreitamente necessários para manter as operações da empresa’.

O empresário pediu ainda cerca de dez dias para que possa realizar formalmente contatos com as instituições financeiras antes de se afastar. O recurso ainda está sendo analisado pela justiça.

A decisão da justiça que Sidnei Piva irá utilizar a tornozeleira eletrônica, os advogados disseram que:

“Aguardam as orientações do cartório sobre a operacionalização do monitoramento eletrônico, estando à inteira disposição para comparecer perante esse MM. Juízo ou qualquer outro órgão público a ser indicado”. 

Administradora notifica juiz sobre descumprimento de Piva

ITA Itapemirim

O empresário Sidnei Piva recebeu um mandado da justiça para se afastar de suas funções como presidente do Grupo Itapemirim ainda no mês de fevereiro. A ordem judicial foi emitida no dia 18 de fevereiro pela Justiça de São Paulo.

O mandado judicial ordenava que Sidnei Piva fosse afastado de forma imediata de todas as suas funções ligadas à Itapemirim, algo que segundo a administradora Exm Partners não foi cumprido.

A Exm Parterns enviou um oficio para a justiça informando o descumprimento da decisão judicial. O oficio foi enviado para o Juiz João de Oliveira Rodrigues Filho que é o responsável pelo processo de recuperação judicial da empresa desde 2016.

A administradora foi nomeada pelo Juiz João de Oliveira para monitorar todas as atividades relacionadas ao Grupo Itapemirim, visando o cumprimento das exigências em relação a recuperação judicial.

Segundo consta no documento, o empresário ainda detém tokens, senhas e outras ferramentas para gestão do grupo de transportes. 

Clique aqui, e veja mais detalhes sobre a notificação da Exm Parterns.

 

Com informações, O Globo.