No mesmo anúncio de resultados financeiros do 3º trimestre de 2018, no qual a Azul falou também sobre os atrasos do Airbus A330neo e dos bons lucros da companhia aérea em tempos difíceis, os executivos da empresa aproveitaram para explicar um pouco mais sobre a nova geração de aviões de corredor único da empresa, que será totalmente implementada a partir de 2019.

Durante uma explicação do John Rodgerson, presidente da Azul Linhas Aéreas, ele disse que a combinação do E195-E2 com o novo A320neo, no qual a Azul já está operando com 17 aeronaves, proporcionará um custo por assento/passageiro transportado 26% menor, em comparação com uma frota única de aeronaves E-Jet E1.

Cerca de 6 a 8 aviões E-Jet E1 devem sair da frota da Azul no próximo ano, através de um vencimento de contrato de leasing, esses aviões serão substituídos pelos E195-E2. Anteriormente a própria Azul já tinha declarado que planeja fazer uma substituição rápida dos E-Jets de primeira geração, e para isso eles reiteraram no anúncio de resultados que a Embraer se comprometeu a entregar os novos aviões no menor tempo possível.

“A partir do ano que vem, a nossa transformação da frota acelera quando começamos a adicionar os E2s em meados de 2019, para que eles cheguem a um ritmo muito rápido após o primeiro entrar em operação”, disse David Neeleman, fundador da Azul Linhas Aéreas.

Em um determinado momento David Neeleman confirmou que o E195-E2 representa um aumento 18 assentos em relação ao E195-E1. Como o jato de geração anterior da Embraer recebe uma configuração padronizada de 118 assentos na frota da Azul, podemos afirmar que o novo E195-E2 terá 136 assentos.

É uma configuração consideravelmente confortável, visto que o E195-E2 pode receber até 146 assentos a bordo devido às alterações estruturais que aumentaram o tamanho da fuselagem.

Interior do E2 foi atualizado. (Foto de exemplo, não representa os assentos escolhidos pela Azul)

Além desse acréscimo de assentos, o E195-E2 não cobra nada a mais em consumo para oferecer essa capacidade extra, ao contrário, ele proporciona uma economia de combustível na ordem de 15% comparando com a geração anterior e uma redução de custo de transporte por assento ainda maior, de 26%, devido ao maior espaço interno.

No total a Azul tem 30 encomendas firmes para o E195-E2, e mais 21 opções de compra.

Os executivos da companhia também aproveitaram para ressaltar o baixo custo operacional do Airbus A320neo, que consome aproximadamente o mesmo da antiga geração de E-Jets da Embraer mas leva a bordo 56 passageiros a mais. Nos últimos meses o A320neo foi o avião responsável por aumentar substancialmente a oferta da Azul nos mercados nacionais e internacionais, muitas vezes sem acrescentar novos voos, e diminuir em até 29% o custo por assento em comparação com o E-Jet de geração anterior.

 

Via – Seeking Alpha