Boeing/Divulgação.

Depois de reabastecer um caça F/A-18F Super Hornet e uma aeronave de alerta antecipado E-2D Hawkeye, o drone de reabastecimento em voo Boeing MQ-25 Stingray realizou com sucesso a transferência de combustível para um caça stealth F-35C Lightning II, informou a fabricante nesta terça-feira (14).

Esta foi a terceira missão de reabastecimento do drone de testes MQ-25TM T1, de propriedade da Boeing, em apenas três meses. O T1 será usado para conduzir uma demonstração de manuseio em convés a bordo de um porta-aviões da Marinha dos EUA nos próximos meses para ajudar a avançar no progresso da integração do porta-aviões.

“Cada voo de teste com outro Tipo/Modelo/Série de aeronave nos deixa um passo mais perto de entregar rapidamente um MQ-25 totalmente capaz de missão para a frota”, disse o Capitão Chad Reed, gerente do programa de aviação embarcada não tripulada da Marinha. “A capacidade incomparável de reabastecimento do Stingray vai aumentar a projeção de poder da Marinha e fornecer flexibilidade operacional aos comandantes dos Grupos de Ataque de Porta-Aviões”

O MQ-25TM T1 reabastecendo o F-35C do esquadrão de testes VX-23 Salty Dogs. Ao lado, um EA-18G Growler da mesma unidade acompanha a operação como aeronave-paquera. Boeing/Divulgação.

Durante um voo de testes na segunda-feira (13), um piloto de F-35C do Esquadrão de Avaliação e Teste Aéreo 23 (VX-23) Salty Dogs da Marinha conduziu de forma bem-sucedida um ensaio de esteira de turbulência atrás do T1 para garantir o desempenho e estabilidade antes de fazer contato com o cesta de reabastecimento do T1, recebendo combustível.

“Este voo foi mais uma demonstração física da maturidade e estabilidade do projeto da aeronave MQ-25”, disse Dave Bujold, diretor do programa MQ-25 da Boeing. “Graças a esta última missão em nosso programa de teste acelerado, estamos confiantes de que a aeronave MQ-25 que estamos construindo agora atenderá ao principal requisito da Marinha – fornecer combustível com segurança para a ala aérea do porta-aviões.”

Veja mais: Porta-aviões dos EUA conduz operações com caças F-35C no Mar do Sul da China

O programa de testes em voo do T1 começou em setembro de 2019 com o primeiro voo da aeronave não-tripulada. Nos dois anos seguintes, o programa de testes completou mais de 120 horas de voo – coletando dados sobre tudo, desde o desempenho da aeronave até a dinâmica de propulsão e cargas estruturais e testes de vibração para resistência e estabilidade.

O MQ-25 está se beneficiando dos dois anos de dados de teste de voo iniciais, que foram integrados de volta em seus modelos digitais para fortalecer a linha digital que conecta o projeto da aeronave à produção para testar as operações e sustentação. A Boeing está atualmente fabricando as duas primeiras aeronaves de teste MQ-25.

DEIXE UMA RESPOSTA