O Grupo LATAM apresentou seus resultados financeiros nesta terça-feira (12/11), incluindo um excelente resultado de lucro para o 3º trimestre, com um lucro líquido de US$ 86,3 milhões, revertendo as perdas do primeiro semestre.

A melhoria no lucro foi obtida através de uma readequação da oferta das filiais da LATAM em voos internacionais, aumentando a lucratividade das rotas restantes com uma maior ocupação dos voos.

A LATAM compensou essa diminuição da oferta nos voos internacionais, com um aumento de 10% no mercado doméstico brasileiro. A receita financeira do Brasil representou 42% da receita do Grupo LATAM, ante 35% um ano antes.

Os resultados ocorrem apesar dos notáveis ​​desafios em vários países em que a LATAM opera, incluindo a Argentina e o país natal da LATAM, o Chile. A agitação social no Chile provavelmente custará à companhia aérea US$ 30 milhões no quarto trimestre, prevê a empresa.

A capacidade do terceiro trimestre da LATAM em voos internacionais, medida em milhas por assento disponível (ASM), caiu 4,1% no trimestre.

O Grupo LATAM Airlines informou uma receita operacional de US$ 268,9 milhões no terceiro trimestre de 2019, que corresponde a um aumento de 21,8% na comparação com o mesmo período de 2018.

A LATAM alcançou margem operacional de 10,1% no trimestre, um aumento de 1,2 ponto percentual no comparativo anual. A receita líquida totalizou US$ 86,3 milhões para o terceiro trimestre, uma melhora de US$ 51,1 milhões no comparativo anual.


A receita total teve um aumento de 6,9% no comparativo anual, alcançando US$ 2.665,1 milhões no terceiro trimestre de 2019, impulsionada por um crescimento de 11,1% nas receitas de passageiro.

A receita operacional por assentos-quilômetros oferecidos (RASK) cresceu 9,1% no comparativo anual, refletindo os aumentos de RASK nas rotas internacionais para os EUA e os aumentos contínuos de RASK das operações domésticas da LATAM Airlines Brasil.

Além disso, houve aumento anual de 7,6% no número de passageiros transportados pelo Grupo no terceiro trimestre, o que representou 1,4 milhão a mais de passageiros nas operações domésticas do Brasil e das afiliadas dos mercados hispânicos.

Como resultado, a LATAM agora projeta que terá uma margem operacional para o ano inteiro de 7%, em comparação com a margem anterior de 7 a 9%.