Eurofighter Typhoon Itália AMI Polônia OTAN
Quatro caças F-2000A Typhoon foram deslocados para a Polônia, onde ficarão até novembro. Foto: Ministério da Defesa da Polônia.

A OTAN segue movimentando suas aeronaves de combate na Europa como resposta à invasão da Rússia na Ucrânia. Dessa vez, quatro caças Eurofighter Typhoon da Aeronautica Mlitare Italiana (AMI) foram deslocados para a Polônia na quinta-feira (28), reforçando o flanco leste da aliança militar liderada pelos EUA.

Logo após completar uma missão de sete meses na Romênia, a Enhanced Air Policing Area South (eAPA-S) da OTAN, os F-2000A Typhoon, como são chamados na AMI, agora serão deslocados para a Base Aérea de Malbork, na Polônia, assumindo a missão dos F-16 dos EUA. Os caças italianos também vão dividir o espaço aéreo polonês com os F-22 Raptor.

A eAPA-S, inicialmente prevista para durar apenas quatro meses (um tempo comum em implantações da OTAN) se estendeu para sete meses. Dessa forma, o total de Typhoons envolvidos também subiu de quatro para oito. A missão foi concluída em 01/07.

“Nestes sete meses, nossa equipe e os Eurofighters italianos alcançaram cerca de 1.400 horas de voo, gerando mais de 700 missões, mais da metade delas voadas como missões de Patrulha Aérea de Combate eVA, e cerca de 50 acionamentos de alerta”, disse o Coronel Losengo, comandante da Task Force Air – Romania (TFA-R). 

Foto: Momento.Photo via Estado Maior Polonês.

Quatro Typhoons chegaram à Polônia para dar suporte à 60ª rotação da Missão de Policiamento Aéreo da Báltico (BAP), que se inicia nesta segunda-feira (01). A rotação toda está prevista para durar seguir até o final de novembro e tem como líder a Força Aérea Húngara, com cinco caças Saab Gripen implantados na Lituânia.

O destacamento italiano na Polônia é composto por jatos oriundos de cada uma das alas de Eurofighter Typhoon da AMI, liderados pelo 4º Stormo (ala), aponta o The Aviationist. A Capacidade Operacional Plena será declarada imediatamente, com os militares permanecendo em prontidão para um Alerta de Reação Rápida (QRA) até o dia 30/11/2022, reforçando a presença da OTAN e o flanco nordeste da aliança.

“As missões de policiamento aéreo do Báltico continuam a demonstrar a natureza coletiva da OTAN como uma aliança defensiva”, disse o Tenente-General Pascal Delerce, vice-comandante do Comando Aéreo Aliado.

“Enquanto a Hungria, a Alemanha e a Itália garantirão a 60ª rotação do policiamento aéreo na região, os aliados forneceram rapidamente ainda mais ativos, contribuindo para nossa nova missão de blindagem aérea, que permitirá um aumento de longo prazo na postura de defesa aérea e antimísseis ao longo do tempo”.

O esforço italiano é complementado pelos JAS-39 húngaros, EF-18 Hornet espanhóis, Typhoons alemães, CF-188 Hornet da canadenses e F-22 Raptor estadunidenses.