A Qantas lançou nesta semana o “Project Sunrise”, a meta da companhia é operar voos comerciais sem escalas da costa leste da Austrália (Brisbane, Sydney e Melbourne) para Londres e Nova York.

Neste projeto a companhia vai realizar três voos diretos, de Nova York até Sydney, e igualmente de Londres até Sydney. Isso será testado durante voos de entrega do Boeing 787-9, as aeronaves vão partir de Sydney, e ao invés de voar vazia para a Austrália, elas serão direcionadas para Nova York, onde partem com 40 passageiros a bordo, incluindo a tripulação.

Os passageiros na cabine, em sua maioria funcionários da Qantas, serão equipados com dispositivos eletrônicos que medem o comportamento do organismo, ao longo das 19 horas de duração do voo. 

Cientistas e especialistas médicos do Centro Charles Perkins irão monitorar padrões de sono, consumo de alimentos e bebidas, iluminação, movimento físico e entretenimento a bordo para avaliar o impacto na saúde, no bem-estar e no relógio biológico.

“O voo de longa distância apresenta muitas questões de senso comum sobre o conforto e o bem-estar dos passageiros e da tripulação. Esses voos fornecerão dados valiosos para ajudar a respondê-los.”

“Para os clientes, a chave será minimizar o jet lag e criar um ambiente no qual eles façam um voo tranquilo e agradável. Para a tripulação, trata-se de usar pesquisas científicas para determinar as melhores oportunidades para promover o estado de alerta quando estão em serviço e maximizar o descanso durante o tempo de inatividade nesses voos”, disse o CEO da Qantas Group, Alan Joyce.

A Qantas ainda tem mais 6 aeronaves Boeing 787-9 para receber, diretamente das instalações da Boeing, e se destaca como a primeira a conduzir uma pesquisa desse tipo.