Emirates Airbus A380
Foto/Divulgação: Emirates

Cada vez mais, o fim da história do maior avião já fabricado pela Airbus se aproxima, agora restam apenas três exemplares do A380 para serem entregues. Operar um modelo com essas proporções não é barato, é preciso uma combinação entre rotas e ocupação para tornar a operação do ‘superjumbo’ mais viável, assim como faz a Emirates.

A Emirates foi a empresa que mais apostou no modelo e consequentemente se tornou a maior operadora. Para o tipo de operação da companhia, a rede de conexões em Dubai tornou viável operar tantos Airbus A380 de uma vez.

A companhia aérea será a última a receber um A380 direto da fábrica, na última sexta-feira a empresa recebeu mais um avião. Os últimos ‘superjumbos’ irão receber as matrículas A6-EVQ, EVR e EVS respectivamente, finalizando as entregas com um total de 272 aviões A380 produzidos. As últimas entregas estão previstas para 2022.

Com atualmente 25 aeronaves do tipo em operação, a Emirates planeja colocar mais 30 para conseguir acompanhar a demanda de viagens na alta temporada. 

A Emirates irá aproveitar que esses países estão com restrições baixas quanto a viagens à lazer. A demanda para viagens nessa época fez com que a companhia aérea com sede em Dubai impulsionasse sua oferta de assentos.

O Airbus A380 da Emirates irá operar nas cidades da América do Norte: Los Angeles, New York(JFK), Washington e Toronto. Na Europa: Manchester, Londres-Heathrow, Munique, Frankfurt, Paris, Moscou e Viena, além de Amã, Cairo e Jeddah no Oriente Médio e Guangzhou na Ásia.

Com a demanda crescendo na alta temporada, a Emirates irá retomar 90% de sua malha de voos e destinos anterior a pandemia. O aumento do número de voos e aeronaves operando é decorrente as restrições que estão sendo reduzidas em boa parte dos países europeus e também nos EUA. 

DEIXE UMA RESPOSTA