Pan Am Boeing 747
Foto: Getty Images

Dia 13 de dezembro de 1969, se iniciava uma história de um casamento perfeito entre o Boeing 747 a ‘Rainha dos Céus’ e a icônica Pan Am. A companhia aérea norte-americana Pan American Airways foi a primeira empresa no mundo a receber e operar o jumbo em todo o mundo.

A companhia mesmo tendo recebido a aeronave em dezembro de 1969, somente no mês seguinte, janeiro de 1970 a Pan Am realizava o primeiro voo do Boeing 747 transportando passageiros. O voo acontecia menos um ano do primeiro voo de teste ainda com protótipos da fabricante, que ocorreu em fevereiro de 1969. 

Confira a experiência gastronômica e sensorial da Pan Am Brasil clicando aqui. 

A relação da Pan Am com o 747 se iniciou alguns anos antes, em 1966 com a aposta e a confiança da companhia aérea de que o novo avião chegaria para revolucionar e mudar para sempre a maneira de se realizar voos intercontinentais. O projeto que ainda não havia se quer saído do papel, a Boeing tinha um gigante desafio pela frente. 

Foto: Getty Images

Passando alguns anos, o projeto enfrentou desconfianças e diversos problemas até chegar em 1969, que ainda sim no seus primeiros voos houve problemas. A Boeing correu contra o tempo e resolveu todos para que a entrega da primeira aeronave à Pan American acontecesse sem problemas.

A entrega do avião claro merecia uma grande festa para comemorar o inicio de uma era e um casamento perfeito entre a ‘Rainha dos Céus’ e icônica empresa aérea. O 747-100 de matrícula provisória N733PA chegava ao Aeroporto Internacional John F. Kennedy em New York no dia 13 de dezembro de 1969.

A grande aposta no maior avião de passageiros do mundo daquela época começou pelo CEO e fundador da Pan Am, o empresário Juan Trippe. O executivo queria muito um aeronave capaz de levar 400 passageiros de forma mais econômica, inicialmente havia um pensamento para uma aeronave com dois andares porém com a fuselagem estreita.

Foto: Getty Images

Como resposta, a Boeing apresentou o projeto de uma aeronave de fuselagem larga porém com o deck superior para acomodação de mais passageiros. O custo do projeto do novo avião estava próximo de US$ 1 bilhão, na cotação atual estaria valendo US$ 7,61 bilhões.

Os convidados e também a imprensa puderam ter a honra de voar não só no primeiro Boeing 747 de passageiros do mundo mas também no primeiro avião de dois corredores (Widebody) do mundo. 

“Apesar dos avisos de tempestades de neve, em 14 de dezembro, mais de 5.000 funcionários da Pan Am e suas famílias vieram ver o primeiro 747 da Pan Am. Eles vieram em curto prazo também. Ninguém sabia se até o final da tarde de 12 de dezembro, exatamente quando o avião seria aceito e entregue. Às 8h do dia 15 de dezembro, 160 funcionários realizaram um voo de uma hora na aeronave. Por causa do curto espaço de tempo, aqueles que embarcaram no voo foram escolhidos da maneira mais rápida possível”. Disse Fundação Histórica da Pan Am.

“Um determinado número de convites foi distribuído a cada departamento de acordo com seu tamanho total. Os sortudos foram escolhidos aleatoriamente pelos chefes de departamento. O 747, com licença provisória N733PA, é o número seis da linha de produção da Boeing. É o primeiro de dois 747s que a Pan Am usará para treinar pilotos e engenheiros de voo em Roswell, Novo México. Ele chegou ao JFK em 13 de dezembro, após um voo de Seattle para Nassau, onde Robert Blake, representante residente da companhia na Boeing, o aceitou formalmente.”

O tamanho daquela aeronave impressionava a todos presentes, gerando até os primeiros apelidos para o avião como ‘baleia de nariz redondo e asas’. O Boeing 747-100 tinha 70,66 metros de comprimento com a envergadura de 59,64m. A altura também impressionava com seus 19,33m, podendo transportar entre 290 e 360 passageiros com o peso máximo de decolagem próximo das 333 toneladas.

O novo avião atendia perfeitamente as pretensões da Pan Am em levar uma grande quantidade de passageiros à rotas internacionais longas com seu serviço que era o melhor da época. 

Foto: Getty Images

Depois da estreia da Pan Am com o jumbo, diversas outras companhias aéreas começaram a fazer encomendas à Boeing para aeronaves 747. Como companhia aérea de lançamento e também a que mais acreditou na força do novo avião, a Pan Am operou também as versões além da -100, -200B, 200C e 200F, está última a versão cargueira.

Além disso, a companhia norte-americana também foi a responsável por realizar a estreia do menor 747 existente, a versão SP. O primeiro 747 operado pela empresa permaneceu em operação nas cores da Pan Am até o último dia da empresa em 4 de dezembro de 1991, no ano seguinte operava mais algum tempo pela Trans-Air Services até ser desmontado tempos depois.

Desde 1960, o inicio do projeto da ‘Rainha dos Céus’ foram construídas mais de 1500 aeronaves, o último 747 sairá da fábrica em outubro de 2022. A Pan Am iniciou essa belíssima trajetória e a Atlas Air vai ser a última empresa a receber o jumbo.

Foto: Getty Images

O 747 ainda resiste ao avanço de novas tecnologias e claro novas aeronaves tão capazes de transportar a mesma quantidade de passageiros e de forma mais eficiente, como o próprio ‘irmão’ Boeing 777 mas para alegria dos amantes do quadrijato, ainda há diversos cargueiros em operação, a hegemonia da ‘Rainha dos Céus’ ainda permanecerá por mais algum tempo.

O casamento perfeito entre a Pan American Airways e o Boeing 747 resultou em muitas mudanças na maneira de voar e servir ao longo dos anos. O serviço aprimorado e único unidos ao espaço, conforto e capacidade de uma aeronave que surgia de um projeto que revolucionaria para sempre a indústria da aviação como um todo.

DEIXE UMA RESPOSTA