A Airbus lançou hoje sua nova projeção para o mercado de aviação até 2038, onde a fabricante ressalta que mais de 39000 novas aeronaves serão necessárias, e a frota de aeronaves comerciais deverá dobrar em apenas 20 anos.

Mas um mercado específico chamou a atenção, entre 210 a 270 passageiros, onde a demanda é para cerca de 2500 novos aviões até 2039.

Neste mercado a Airbus já apresenta suas soluções, como a linha A321neo, e suas variantes LR e XLR de longo alcance, juntamente com o A330neo, que entra como um complemento para aquelas companhias que necessitam de mais alcance, capacidade de passageiros e transporte de carga.

Projeto do Boeing NMA segue em segredo, mas aponta novas tecnologias que podem reduzir consumo em até 25%.

Enquanto isso, a Boeing trabalha no projeto NMA, de um novo avião, que deverá entrar em serviço em 2025, com capacidade entre 230 a 270 passageiros.

“Mas estaríamos competindo nesse espaço”, disse o vice-presidente sênior de análise de negócios da Airbus, Bob Lange.

Além da Airbus e a Boeing concorrendo nesse mercado, outras fabricantes como a Irkut e a CRAIC devem atuar nesse mercado para conseguir alguma fatia, a primeira, totalmente russa, disponibiliza o MC-21, e a CRAIC promete três variantes do CR929, para oferecer capacidades entre 250 a 330 assentos.

A Airbus nega que não tenha espaço para a aeronave da Boeing no mercado, mas destacou que lançou as suas soluções mais cedo, e já acumula encomendas para o A321XLR.

Muitas companhias optaram por mesclar o A330neo com versões de longo alcance do A321neo, como a Delta e a TAP.