Ucrânia Rússia Força Aérea abatido
Restos de um avião russo derrubado na Ucrânia.

Na madrugada do dia 23 para 24 de fevereiro, o presidente russo Vladimir Putin anunciou a invasão da Ucrânia. Desde então, muito tem se falado na atuação de aeronaves e o uso de sistemas de defesa aérea no conflito que vai completar 1 mês nesta semana. 

Os dois lados tem alegado números de abates, porém, quase nenhum deles é realista ou sequer vem com alguma prova concreta. 

O blog de observação militar Oryx tem, desde o início do conflito, documentado as perdas materiais dos dois lados. Estas são verificadas com técnicas de inteligência de fontes abertas, contabilizadas através das imagens que circulam por canais de mídias sociais. 

Até o momento (22/03), 83 aeronaves – entre aviões, helicópteros e drones – foram perdidas ou capturadas/abandonadas no conflito, sendo 63 russas e 20 ucranianas. Neste artigo, vamos apresentar um pouco dos veículos aéreos que já caíram no conflito, excluindo drones de pequeno porte, loitering munitions e helicópteros que não puderam ser identificados (31 unidades). 

Sukhoi Su-25 Frogfoot

Empregado por Rússia e Ucrânia em diferentes variantes, o Sukhoi Su-25 Frogfoot é um jato subsônico de ataque ao solo. Capaz de transportar 4,4 toneladas de armamentos como bombas, mísseis e foguetes de vários tipos, o Su-25 tem sido largamente empregado no conflito.

Sukhoi Su-25 Russia
Su-25 russo com danos após ser atingido por um míssil terra-ar ucraniano.

O Su-25 surgiu na década de 1970 na União Soviética como uma resposta ao A-10 Thunderbolt II dos Estados Unidos, e hoje é um dos aviões de combate mais usados no mundo, com mais de 470 aeronaves presentes ao redor do mundo. Voltado para ações de ataque tático e suporte aéreo aproximado, o Su-25 também é reconhecido mundialmente por sua resistência e robustez, com o piloto da aeronave ficando envolto em uma banheira blindada ao redor do cockpit. 

Dentre as aeronaves de asa fixa, é que mais foi abatida: enquanto a Força Aérea Ucraniana (UAF) perdeu quatro de seus Frogfoots, as defesas aéreas do país invadido conseguiram derrubar sete Su-25 das Forças Aeroespaciais Russas (VKS), totalizando 11 aviões.

Mil Mi-24/Mi-35 Hind 

Outra aeronave que é usada pelos dois lados do conflito. O Mi-24 — e sua versão mais moderna Mi-35 — é um helicóptero de ataque e transporte de tropas. O armamento e a carga útil da aeronave variam com as diversas variantes, bem como seus sistemas de autodefesa. 

Mi-24 Rússia
Mi-24 russo. Foto: Ministério da Defesa.

O modelo de origem de soviética foi vendido para quase 70 países — incluindo Brasil — e foi largamente empregado em múltiplos conflitos desde sua introdução em serviço, nos anos 1970. Na invasão do Afeganistão pela URSS na década de 1980, o Mi-24 recebeu o apelido de Carruagem do Diabo pelos combatentes locais, mas foi vítima dos mísseis antiaéreos portáteis (MANPADS) Stinger, cedidos aos Mujahidin por Washington. 

Na mais recente guerra do velho continente, o Hind, como é chamado pela OTAN, também foi vítima dos MANPADS. A Rússia perdeu cinco helicópteros das variantes Mi-24P/V e Mi-35M, além de outros três que não puderam ser identificados. Por outro lado, a Ucrânia só perdeu um Mi-24. Uma das imagens mais chocantes do conflito foi justamente o abate de um Mi-35 russo.

Baykar Bayraktar TB2

Uma aeronave que tem causado uma certa dor de cabeça aos russos é o drone turco Bayraktar TB2. O modelo é operado pela UAF e a Aviação Naval Ucraniana e já vinha sendo usado como plataforma de reconhecimento para observar as tropas russas antes do início do conflito. 

TB2 da Marinha da Ucrânia.

Com o início do guerra, o TB2 passou e empregar suas bombas pequenas mas precisas para destruir veículos russos dentro da Ucrânia. Você pode conhecer mais sobre o drone e suas capacidades neste artigo especial.

Dos 18 drones adquiridos pela Ucrânia, pelo menos um foi abatido pelas defesas aéreas russas. Ainda assim, o país já recebeu ainda mais unidades da aeronave não tripulada fabricada na Turquia. 

Mikoyan-Gurevich MiG-29 Fulcrum 

Um dos primeiros caças de 4ª Geração da URSS, o MiG-29 se espalhou pelos países satélite da antiga potência. Com a Ucrânia não foi diferente: antes da guerra a UAF tinha 51 caças do modelo em serviço. 

MiG-29 Ucrânia
Caça Mikoyan Gurevich MiG-29 Fulcrum da Força Aérea Ucraniana.

O MiG-29 surgiu como um caça mais leve para complementar o Sukhoi Su-27 (também operado pela UAF). O Fulcrum, como é designado pela OTAN, é capaz de empregar mísseis ar-ar bem como bombas e foguetes como armamento ar-solo. A aeronave tem visto bastante combate contra as plataformas aéreas russas e até foi personagem da lenda do Fantasma de Kiev.

O MiG-29 também tem protagonizado uma polêmica sobre a possível transferência de caças deste modelo para Ucrânia, algo que até agora não se concretizou. Ao todo, foram contabilizadas as perdas de três MiG-29 ucranianos. 

Kamov Ka-52 Alligator 

O Ka-52 é um dos ativos mais modernos que a Rússia tem empregado no conflito. Baseado no Ka-50, o helicóptero de rotores coaxiais é equipado com um canhão de 30mm lateral e pode carregar foguetes não guiados e 12 mísseis antitanque Vikhr. É também um dos únicos helicópteros no mundo a ter recebido assentos ejetáveis. 

Ka-52 Rússia
Helicópteros de ataque Kamov Ka-52 Alligator. Foto: Ministério da Defesa Russo.

Designado Hokum-B pela OTAN, o Ka-52 é tripulado por dois militares que dividem as funções de pilotar o helicóptero e monitorar os sensores optrônicos e o radar FH01 Arbalet 52. O Ka-52 é bastante ágil e manobrável, podendo superar os 300 Km/h. 

No entanto, mesmo com toda modernidade, a Aviação do Exército Russo já perdeu seis de seus Ka-52. Três foram destruídos, dois foram danificados e capturados e outro fez um pouso de emergência durante um ataque.

Sukhoi Su-30SM Flanker-C

O Sukhoi Su-30SM está entre os caças mais modernos presentes na frota da VKS. O modelo foi desenvolvido a partir do Su-30MKI indiano, mas com modificações que refletem as necessidades operacionais da Força Aérea Russa. 

Sukhoi Su-30SM
Sukhoi Su-30SM. Foto: Ministério da Defesa Russo.

Os motores de empuxo vetorado Saturn AL-31 dão uma alta manobrabilidade ao caça e o levam a Mach 2. O Su-30SM é operado por dois tripulantes e pode transportar oito toneladas de armamentos diversos, como mísseis ar-ar, ar-solo, antinavio e bombas inteligentes. Seu principal sensor é o radar Bars-B, que trabalha em conjunto com o sensor de busca e rastreamento por infravermelho OLS-30. 

O modelo, que também serve à Força Aérea de Belarus, foi alvo dos ucranianos três vezes. Em uma dessas vezes, um Su-30SM foi destruído em solo por um ataque de mísseis Tochka-U. 

Antonov An-26 Curl 

Desenvolvido como uma versão melhorada do An-24 Coke, o An-26 também é usado por Ucrânia e Rússia.

A aeronave de transporte militar foi produzida até a segunda metade dos anos 1980 e é usada em operações de transporte logístico, evacuação aeromédica, lançamento de paraquedistas, ressuprimento e outras. 

Antonov An-26 ucraniano que caiu perto de Kiev durante o primeiro dia de combate.

O bimotor turboélice pode carregar 40 passageiros ou cinco toneladas de cargas diversas. Rússia e Ucrânia perderam uma unidade cada, ambas no dia 24/02. 

Tupolev Tu-141 Strizh 

Em termos de tamanho, o Tu-141 é o maior drone usado no conflito entre Ucrânia e Rússia. Projetado para missões de reconhecimento, esta antiga aeronave não tripulada pode atingir velocidades de 1100 Km/h graças ao seu turbojato Tumansky KR-17.

Tu-141 drone ucrânia
Drone Tu-141 preservado em Luhansk, Ucrânia. Foto: Igor Bubin via Wikimedia.

O drone é lançado a partir de uma carreta com auxílio de um foguete, voando um percurso predeterminado em velocidade transônica. No fim da missão, o drone com os dados de inteligência é recuperado através de paraquedas, podendo ser reutilizado.

Apesar de obsoleto (a própria Rússia não opera o modelo desde 1990), os ucranianos voltaram a usar o Tu-141 em 2014 com a invasão russa na Crimeia. Ao todo, quatro desses drones já foram perdidos no mais recente conflito, sendo que pelo menos um acabou caindo na Croácia.

Mil Mi-28 Havoc

Um dos helicópteros mais famosos da Rússia, o Mi-28 também se encontra em serviço no Iraque e Argélia. Chamado de Havoc pela OTAN, o Mi-28 é armado com um canhão de 30mm (o mesmo 2A42 do Ka-52) e pode carregar uma multiplicidade de armamentos, como os mísseis antitanque Vikhr e Ataka e foguetes de 50, 80 ou 122mm. 

Pelo menos um Mi-28 foi abatido perdido em combate na Ucrânia. 

Mil Mi-28N Havoc.

Sukhoi Su-27 Flanker 

Assim como o MiG-29, o Su-27 foi um dos primeiros caças de 4ª geração da URSS. O modelo deu origem à uma enorme família de caças com inúmeras subvariantes, cada uma com suas especificidades. 

Sukhoi Su-27UB Ucrânia
Sukhoi Su-27UB da Força Aérea Ucraniana. Foto: Chris Lofting via Wikimedia.

Após o colapso da URSS, a Ucrânia herdou cerca de 70 Su-27 das versões P, S, UB e UP, mais tarde modernizadas localmente. A empresa estatal MiGRemont ficou responsável por atualizar radares, sistemas de mira, comunicação, autodefesa e navegação de frota de Flankers ucranianos. 

Dentre os ativos da UAF, os Su-27 estão entre os mais temidos pela VKS. Contudo, três aeronaves já foram abatidas na guerra. Um dos pilotos mais famosos da Ucrânia, o Coronel Oleksandr Oksanchenko, morreu em combate pilotando um Su-27 sobre Kiev.  

Sukhoi Su-34 Fullback

Desenvolvido para substituir o Su-24 Fencer, o Su-34 Fullback é um caça-bombardeiro tático de longo alcance. A aeronave tem suas origens no protótipo Su-27IB da década de 1980 e hoje é um dos aviões mais potentes da VKS. 

Sukhoi Su-34 Fullback.

O Fullback, como é chamado pela OTAN, tem uma carga útil de oito toneladas, podendo empregar bombas, foguetes, mísseis antirradar e antinavio, mísseis ar-ar e de cruzeiro e outros armamentos de precisão. Por conta do design de seu radome (que abriga o radar multimodo de varredura eletrônica passiva Leninets V004), o Su-34 é apelidado de bico de pato ou ornitorrinco. 

Equivalente ao F-15E Strike Eagle norte-americano, o Su-34 é tripulado por dois militares (piloto e copiloto/operador de sistemas d’armas) que sentam lado a lado em um cockpit blindado, acessado através de uma escada no trem de pouso dianteiro.

Por ser uma das aeronaves mais modernas da Rússia, a perda de quatro Su-34 em combate na Ucrânia chamou atenção. 

Mil Mi-8 Hip

Com mais de 17.000 unidades fabricadas, os helicópteros Mi-8 e Mi-17 são os mais fabricados na história. Usado principalmente para transporte de tropas, veículos leves e logística, o Mi-8 é amplamente empregado por dezenas de países. 

Foto: Ministério da Defesa Russo.

Dependendo da versão, o Mi-8 pode carregar bombas, foguetes e até mísseis antitanque. As variantes mais modernas receberam glass cockpit, blindagem adicional e sistemas de autoproteção. 

O Mi-8 tem sido amplamente empregado na invasão russa ao país vizinho, principalmente em ações de assalto aerotransportado como o realizado no aeroporto de Gostomel, onde estava o An-225. Ainda assim, a Rússia perdeu quatro destes helicópteros.

Além das aeronaves citadas, a Rússia também perdeu:

  • Cinco drones de reconhecimento Orlan 10
  • Três drones de reconhecimento Eleron 3
  • Um drone de reconhecimento Forpost 
  • Três munições inteligentes ALA Aero KUB-BLA
  • Um drone-alvo E95M

Já a Ucrânia perdeu:

  • Dois drones de reconhecimento Leleka-100 
  • Um drone de reconhecimento A1-SM Fury